INSPIRAÇÕES DO POETA

30 de abr de 2009

Jabá

Tirei o maço de cigarros da bolsa e o deixei bem acomodado na mesinha do quarto.
O infarto não seria por esses dias! Não poderia partir sem me despedir da alegria.
Logo eu! Que prometeu ser o que queria, muito além de filosofia...Ato.
O dia tinha me proporcionado um cardápio de tristezas, que tive que engolir de fato.
Estava convicta, que minha lista de sonhos seria cumprida pela vida.
Só que é preciso mais que uma abóbora pra se fazer um sonho. É estranho,
Mas eu proponho jerimum com jabá.
Atolar o pé na jaca e deslizar. Depois pular, saltar. Lambuzar. Escorregadia e voraz.
Sabida, que a maior euforia é sempre ousar.
Covardia não paga a conta.
A melhor valia é o preço caro, os estragos, os retalhos. Só assim se aprende a andar.
Andar é solitário. Dois pés e um mundo Gandhi ou grande.
A solidão é um parto eterno e terno é o despertar.
Os olhos acordam e necessitam das dores, dos amores, de coisas pra sonhar.
Porque no breve instante, entre o nascer e morrer, nada mais há do que você.

Nenhum comentário: