INSPIRAÇÕES DO POETA

8 de nov de 2009

O Bilhetinho




Eram dela, aqueles miúdos olhos tristes, mesmo, quando fingiam atrás das pálpebras, o sono. Havia neles a culpa por serem felizes. Involuntariamente, olhos felizes – mas precisavam ser tristes! Ninguém que tivesse arrastado pela vida, tanta falta de amor teria se quer, um sopro de alegria. Seus olhos, de nada entendiam, só sabiam ser contentes, mas era necessário forjar melancolia e assim foi. Tornaram-se felizes olhos tristes.
Ela só queria remar, nas águas da lagoa e dos sonhos, tão cheia de maternidade, por tudo e por todos, mas abortaram-lhe a vida e não a existência. Morte por asfixia! Derreteram suas medalhas e fizeram talheres, de ouro e prata.
Dentro de si mesma guardou a liberdade, na caixinha de jóia escarlate, lá, ninguém a tomaria. E no silêncio da noite, onde os corpos morrem, ela ressuscitava e dançava, como se fosse gente. Perdida em sentimentos, como uma estrela a boiar no céu, que desconhece a luz e brilha.
Pela manhã voltava a morrer, com o corpo em cadáver e a obediência serviçal, de quem desconhece a arrogância. Piedosamente, ela escondia sua alma aguerrida, sob as sombras. Seria uma ofensa ser alegre, só por ter nascido assim.
Era legítimo e obrigatório ser infeliz, como o pai tirano e suicida, como o homem que lhe dera filhos e solidão, como os dias em branco. Jamais seria indelicada com os que acreditam que, os pés são feitos pro chão. Pobres, nunca plantaram bananeira!
Deus! De que matéria era feita essa mulher, que viveu em estado gravíssimo de amor, sem fazer barulho, como se não respirasse, como se fosse éter? Havia na figura suave, quase névoa, um colo disponível, que de tão fácil nem era notado, mas estava ali, a espera de coisas possíveis. Uma gente humana, com um amor tão excessivo, que a enlouqueceu, antes, que eu pudesse entender, não com o pensamento de pessoa, mas com meu coração de filho, que o amor é vermelho, sangra e mancha a saudade que é tão branca.
Agora, me lembro! Você disse: guarde esse bilhetinho pra ler, quando você crescer – ainda, não esta na hora, mas quando chegar... prometo que vou ler!

6 comentários:

FrancK P_LavD disse...

Olá Ira,

Vim agradecer-lhe a sua visita e o seu gentil comentário, muito obrigado.

Volte sempre será um prazer vê-la no meu cantinho de poesia.

Gostei muito do seu blogue, parabéns pelo seu trabalho!

Grande agraço,
FrancK

Márcio Kindermann disse...

Cara isso doeu em mim...
bj

Gian Fabra disse...

o bilhetinho deve dizer pra vc acreditar no amor...

porque ela era feita disso.

obrigado pelas lindas palavras no meu blog. lindas.

bjs querida

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olha, faz um bom tempo que não leio algo assim, tão bonito. Fiquei bastante emocionado. Lembrou-me muito minha saudosa mãe.

Lindo! Adorei! Parabéns!

Beijos,

Furtado.

CARLA FABIANE... disse...

querida amiga...

DEIXO IR E DEIXO DEUS !!!

Deixo ir a preocupação, a tensão, os estados negativos, e convido Deus a entrar em cena e agir, ante qualquer problema.
Não há nada que seja demasiadamente complexo ou confuso ou poderoso ou esmagador, ante a presença de Deus.
Ele nos ilumina, dissipa os temores, amesquinha os exageros, desenreda as tramas e esclarece tudo!
Minha parte, mui importante, é a de colaborar com Ele, deixando ir e deixando-O agir livremente, para manifestar Sua Divina Ordem, beneficiando todos os envolvidos na questão.
Sei que Deus está a cargo, que Ele cuida de tudo o que me escapa.
E em confiante expectativa, aguardo a resposta de Deus.
O que me cabia fazer, já fiz.
Ele não falha nunca.
Estou em paz.

Tenha uma semana de mta Paz+Sucesso+Alegria!
Bjs+Bnçs+smpr Amor...

CARLA FABIANE... disse...

amiga...
Que tua noite seja harmoniosa
Deixo com você um Fragmento de Mim
Toda paz e todo amor do mundo em tua vida.
Beijos na Alma...
paz e luz...