INSPIRAÇÕES DO POETA

14 de ago de 2010

Afã




Sinto saudade de ti.
Sinto saudade de tudo que nunca vivi.
Das tuas mãos donas de mim,
Do meu desassossego.
Quando sinto o teu cheiro na minha memória,
Horas a fio.
Eu desenho o teu rosto no espelho do quarto
E rodopio nua, cheia de braços.
A girar, a girar, a sentir,
O teu olhar a me seguir.

11 comentários:

Grasi disse...

Saudade é f***!!!
Amigaaaaaaaa...
passando pra te desejar um findi super iluminado.
Bjão querida!!

Sil.. disse...

Ira, parece que vc lê o meu momento.

Perfeito.

Alma mais linda você tem.
És uma amadaaaaaaa!

Beijo de bom dia!

Lila disse...

O que nunca foi vivido, é quase sempre, o momento mais perfeito.
Ótimo sábado, Ira.

Bjkas

Willyan Luemi disse...

Intenso e propenso ao desejo.

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Ira,
Espelho que reflete - saudade! - outro rosto: pura poesia a girar, girar, sentir...

Abraço reflectido,
Pedro Ramúcio.

Úrsula Avner disse...

Olá querida Ira,

bonito e sensível versejar como de costume... Gostei muito do novo template do blog... (Ira)do , como diria minha filha mais velha. Bj e um ótimo domingo amiga.

Fulvio Ribeiro disse...

Háaa... Ira Minha Amiga...
isso ´que tu faz é arte,muita beleza.
"Quando sinto o teu cheiro na minha memória". Simplesmente lindo e profundo, como viajei nesses versos.
Grande Abraço.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Passando para te desejar um ótimo domingo.

Belo poema. Bela entrega!

Beijos,

Furtado.

Tuca Zamagna disse...

Belo poema, Ira. Redondinho e certeiro.

"Eu desenho o teu rosto no espelho do quarto
E rodopio nua, cheia de braços." são versos perfeitos, pela imagem e pela musicalidade.

Obrigado pelo convite que deixou na gaveta do meu "escritório". Graças a ele vim aqui. Com atraso, né?, porque você já havia passado lá umas duas ou três vezes. Eu pensava que aquela sua seguidora desnaturada, a Anga, já tivesse feito isso.

Vou dar uma dura nela e nos meus outros dois parceiros, que andam pisando na bola também. É nisso que dá eu ser um ditador democrático...

Bjs

Marcio Nicolau disse...

Uau! Lindo este aqui. Um poema circular, cheio de sentido.

Marcio Nicolau disse...

parabéns pelo blog.