INSPIRAÇÕES DO POETA

3 de ago de 2010

Devaneios




No silêncio que me imponho, quando poeta forja ser,
Essa essência impudica, que mal cabe em mim, não para.
Debochada! Levanta a saia e pula o muro pra viver,
Mas antes solta os cabelos, depois pinta a cara.

Sai desembestada, ao vento e pelos cotovelos fala,
Com a boca que Deus deu. Boca de dar fé em ateu.
Ah, alma sôfrega, que do corpo se ausenta e rala,
A língua nas línguas das trovas - bastidor de Orfeu.

Vaga psicodélica pela noite a procura de ensaios,
Das vitimas dos tais delírios sentimentais. Arrebata,
Sonhos do mundo que vê flamejante e de soslaio.
Trata o amor sem domínio, porque o corpo...

...O corpo não é democrata!

10 comentários:

A.S. disse...

IRA...

Teu poema fascina, incita, excita, grita e arrebata!!!

BeijOOO
AL

Rosemildo Sales Furtado disse...

Oi aniga! Passando para te desejar uma ótima noite e dizer que adorei o poema, com ênfase para a estrofe abaixo:

Sai desembestada, ao vento e pelos cotovelos fala,
Com a boca que Deus deu. Boca de dar fé em ateu.
Ah, alma sôfrega, que do corpo se ausenta e rala,
A língua nas línguas das trovas - bastidor de Orfeu.

beijos,

Furtado.

Sil.. disse...

Lindeza de palavras , Ira!!!

Tudo aqui é tão bonito.
Porque é a sua alma, e isso explica tudo.

Um abraço meu!

Jacson Faller disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
aluisio martins disse...

perfeito. demo-cracia do corpo...
vc tiraniza o tédio, amiga
beijo

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Ira,
Se o corpo não é democrata, quem é o tirano-mor: o olho ou o coração?
Estarei-me de olhos e coração sempre abertos pras coisas daqui, moça de faces lindas...

Abraço mineiro,
Pedro Ramúcio.

Jorge Pimenta disse...

o corpo não é democrata! ufa, que frase, esta... se lida por associação com a loucura de den bosch (não me engano, verdade? a tela é dele) dá para fazer o pino com o cérebro :)
um abraço!

Leo Lemos... disse...

...hoje no Universo/ nada que brilha cega mais que teu nome... Linda, obrigado por sua presença!

Fulvio Ribeiro disse...

vou falar pouco, para não estragar essa beleza de Obra.
Ótimo...
Grande Abraço.

Úrsula Avner disse...

Oi Ira,

sua escrita é para ser lida e relida e apreendida... Belo texto ! Bjs com carinho.