INSPIRAÇÕES DO POETA

8 de abr de 2011

Poêmea




Quase mulher
Artimanha
O poema veste saia
Demanda
A mentira fêmea
Faz-se
Verdade – Será?
Concreta
Do instante traído
Sentido
Eternizado
Na voz
E o verso nasce
Sangue contaminado
Anônimo
Como uma amante.

Como são cínicos os poemas de vestidos!

(Pra Jorge Pimenta)

24 comentários:

Antonio José Rodrigues disse...

Adoro, Ira, o poema-mulher. Sem vestidos. Beijos

valquiria calado disse...

ڿ•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣ✿ڿڰۣ¸.•*♥ڿڿ•*♥ڰۣ¸.•*¸•*♥ڿ

Sobre o amor

Fácil de acontecer, difícil é descrever.
Amar é sentir sem querer, é querer sem perceber.
Fugaz ou duradouro, não importa o tempo, o que vale é o sentimento.
Que o eterno seja pra sempre, mesmo que seja breve.
Sobre o amor é tudo que não sei, daquilo que já sei.

Bom fim de semana, bjos.

ڿ•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣ✿ڿڰۣ¸.•*♥ڿڿ•*♥ڰۣ¸.•*♥ڿڰۣڿڰۣ

Brasileiros enlutados ♥♥♥♥♥♥♥♥♥...

Malu disse...

Ira, que delícia!!!
Tem razão sim - poemas de vestidos são danados.
As saias, as echarpes, os camafeus, colares de pérolas e tudo mais, sempre são fatais ao poemarem.
Abraços, minha querida

Chico Mário Feitosa disse...

Lendo esse poema me lembrei dos dadaístas... No entanto, e ao contrário deste, os teus fazem mto mais sentido pra mim
abcs

Marcio Nicolau disse...

"não me venha falar da malícia de toda mulher", Ira.

:)

A propósito: devo a você uma explicação. Não fiz ainda por falta de tempo, me desculpe.

Escreverei um e-mail pra você.

Um beijo.

Analuz disse...

Como são cínicos...

Beijinho cúmplice, Ira brilhante!

♪ Sil disse...

Amada,

E não é que também comecei a cantar "Não me venha falar da malicia de toda mulher, cada um sabe a dor e a delicia de ser o que é...não me olhe, como se a policia andasse atrás de mim..."

Ahhhh, que coisa lindaaaaaaa, Ira!

Tu nasceu perfeita mulher!
Escreve, e eu me sinto dançando na ponta dos pés.

Um beijooooooo, metade adorada de mim!

Assis Freitas disse...

desvestí-los eis,


beijo

Carolina disse...

Oi Ira! eu adoro seus poemas tão engraçado, inteligente e ... ousada!
Beijos e bom fim de semana.
(E saudações pra Jorge Pimenta).

La sonrisa de Hiperión disse...

Un placer haber pasado por tu espacio. Pasa un buen fin de semana.

Saludos y un abrazo.

Dilmar Gomes disse...

Amiga Ira, teus poemas vestidos ou despidos são sempre muito bons.
Um grande abraço.

Iram M. disse...

Os vestidos tem seus charmes, os despidos tem suas seduções... depende, se for a Ira a escrever,
com certeza encontrará neles, charme e sedução no mesmo poema.

Bom fim de semana, amiga!

Fred Caju disse...

Encantador! Rasguemos as vestes!

carmen silvia presotto disse...

Hey, desvetes o olhar de quem aqui chega e nos deixas nuas de poesia...genial.

Um grande beijo e este posso levar ao Vidráguas?

Bom final de semana.

Carmen.

Marcelo R. Rezende disse...

Quando vestem vestidos só nos fazem endoidecer.

Amo.

helio.rocca disse...

Um belo poema, aliás você tem esta capacidade de criar coisas belas. Uma linguagem pulsante e moderna transborda sempre em suas linhas. Parabéns, sinto-me privilegiado em ler poesias tão bem escritas. Espero ter a honra de escrever algo juntos. Abraço fraterno, Helio Rocca.

Sandra disse...

Querida Ira
Excelente título para um poema não menos brilhante!
Beijinho

Mari Amorim disse...

Ira,
gosto das tuas postagens,do questionamento que traz...
Boas energias,uma semana iluminada!
bjs
Mari

Long Haired Lady disse...

sabes que ao começar a ler, logo lembrei dele!?!?!?

Phivos Nicolaides disse...

Sempre corajosa em seus poemas e idéias... Beijos

Jorge Pimenta disse...

ira, querida,
se procurava respostas, ao ler-te tornei imensas as perguntas já de si maiores. é sempre assim a poesia: se havia um trilho, ela abre dois; se percorres os dois, perdes-te em três. se pretendes tocá-los a todos tornas-te nenhum e o primeiro filho [i]legítimo do poema. fascínio, loucura, tesão, eis a tríade que se esconde por detrás deste poêmea, onde vénus, circe e penélope são apenas projecções de quase-mulheres. e ao poeta nada resta senão viver na metamorfose do poêmea.
um beijinho com um carinho único por ti, ira; pela tua palavra e pela amizade que me dispensas, doce amiga!

Lila disse...

Óia eu aqui outra vez, Loiruda..
Vestida ou despida...
Menina ou mulher...
Concreta ou etérea...
Cínica ou depravada...
O que importa mesmo, é o nascer da poesia.
Amo.
Bjs meus !

Magia da Inês disse...

ઇઉ ✿ܓܓ♫♫
Olá, amiga!

Passei para uma visitinha...
Que poema mais despojado, simples e bonito!
Você tem muito talento!!!
Um lindo domingo!
Beijinhos.

♫♫.•*¨*•♫♫¸
°•♥° Minas
°°•✿♫°.•

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Ira,
Poêmea!!!
"Nunca estou falto de ti,
Ò feminino ser,
Que me fazes sorrir,
E tanto padecer!"
Um dia escrevi em minha eterna adolescência c'oas palavras, e seu poema me devolve a ela, a elas...
A dedicatória é justa e bem escolhida, num marít(i)mo endereço certo...

Abraço revestido de amizade,
Pedro Ramúcio.