INSPIRAÇÕES DO POETA

15 de set de 2011

ALFABETO DAS DESGRAÇAS - Letra Q - QUARENTENA




Tum-tum, Tum-tum
Bate arrítmico
Tum-tum, Tum-tum
Bate sísmico
Peito esmolento de miserável
Dito: - Incurável!
Ah, coração de terra chiada,
Silêncio!
Silêncio profuso
Que grita aos quatro ventos por dentro
Por fora,
Afastamento

Tic-tac, tic-tac
Bate o medo
Tic-tac, tic-tac
Bate a dor
Essencial canção do homem vil
Dito: - Inútil!
Ah, relógio fingidor
Do tempo!
Tempo estrangeiro, que corrido passa por fora
Por dentro,
Como demora!
Horas e horas de sofrimento sem mãe

5 comentários:

helio.rocca disse...

Belo poema, pleno de instantes, sensações, aflições. Muito bem traduzido em palavras, digno de uma poetisa, aplausos!

Assis Freitas disse...

oh quão dessemelhante,



beijo

Dilmar Gomes disse...

Amiga Ira, que bom que tu voltaste!
Quero ver este coraçãozinho batendo, acelerado, postando os versos lindos que tu compões. Eu estava sentindo saudades de ti.
Bemvinda! Um grande abraço. Tenhas um lindo dia.

Patrícia Pinna disse...

Ira, boa noite.Que felicidade revê-la!
Só soube da tua volta, pois fui ao blog do Jorge e vi o seu comentário.
Espero de coração que você esteja bem, e que tudo esteja se acertando para você!
O seu alfabeto é incrível, o seu talento extraordinário.Adoro as suas postagens, sempre tão cheias de garra, e uma força sem igual, bem diferente!
Parabéns, e um beijo grande!

Marcelo R. Rezende disse...

Que saudade!
Por onde você andou, poxa?

Adorei o poema, sempre esse instante entre os momentos raros, é o teu poema.


Beijo.