INSPIRAÇÕES DO POETA

4 de out de 2009

Quando não morro...




Já é tarde e eu continuo respirando, como se estar viva, depois das vinte horas, não fizesse mal algum pra quem espera. Quem pariu a noite, não me levou a sério! Será um hábito nosso?
Vou ter que me inventar, diante dessas horas gagas, pra não encarar a rotina de te amar, mais e comovida, ao lado da tua ausência, quando escurece.
Não consigo morrer nas madrugadas, portanto bebo rum e escrevo, só pra te vomitar, mas você, não sai por completo. Deixa pedaços lagartinosos, que nas manhãs crescem, sem estardalhaços, como não tenho moralidade aceito o vício e as migalhas tuas.
Já estava cansada de ser feliz e resolvi perseguir outras possibilidades. Você estava bem no caminho, não tive alternativa, agora preciso me travestir, no breu de todos os dias.
Sou fiel às verdades que invento, desde meu nascimento, quando surgi boa, mas me teimei má. Gosto de pecar e não faria sentido crescer virtuosa.
Minha alma é obscena e anda nua, isso incomoda aos guardadores de chapéus. Se não há o que guardar, o que fazer com os cabideiros? Digo: queime-os! Que alma precisa deles?
Faço de conta, que ainda te amo desinteressada-mente pelo amor, ou te amo interessadamente no amor, ou me amo predestinadamente na dor, não sei. Só sei viver desse jeito, no fio da navalha. Sangro! Meu mênstruo é vermelho e vasa. Nada em mim, se faz mais ou menos. Se o amor não tiver tua face, outra face há de ter e terá que enfrentar minha esperança, meu excesso e, sobretudo, minha clandestinidade. Sou meu próprio esconderijo.
Inútil me entender! Não tenho código, só mãos pra entrelaçar e seguir. Tenho medo do que faz sentido e temo o que desconheço, mas sempre escapo.
Queria acordar viva, mas ainda nem morta adormeci.

13 comentários:

Tânia Meneghelli disse...

Ira, primeiro quero te agradecer por ter passado a seguir meu blog também e por sua participação por lá. Esse incentivo é muito importante pra mim.

Já dei uma olhada em alguns dos seus textos e fiquei encantada com sua maneira solta, escancarada mesmo, de expor o que vai no mais íntimo da sua alma. São pouquíssimas as pessoas que têm essa capacidade. Não, capacidade não seria o termo mais adequado... Acho que pra isso é preciso ter CORAGEM, isso sim. E coragem aliada à competência dá nisso: textos fortes, marcantes, que prendem a atenção.

Adorei tudo, inclusive o visual lindíssimo do espaço. Parabéns, viu?

Beijoca!

Márcio Kindermann disse...

Um texto de embriagar. Um verdadeiro fio de navalha. Vida solta a merce dos sentimentos. Encantado com tu.
bj meu!

Márcio Kindermann disse...

Descupa se cometi o pecado de não pedir licença, foi o astral do momento.
bj meu e perdão...

Pedaços de Tempo disse...

Olá Ira,

Antes de mais, obrigado pela tua visita e inteligente comentário que “pariste” no meu blog!

Agrada-me esta tua forma muito própria de escreveres. Sem papas na língua, teus textos são directos e envolventes. Gosto do estilo!

Também eu vou seguir-te, para ler os post´s aqui “paridos” e, deixarei os meus "PEDAÇOS".

Bjs,
CR/de

Márcio Kindermann disse...

Certo, somos pecadores;
vc peca pela vaidade, eu pelo excesso... e no caso da desculpa, pela falta, do "L". rsrsrsrs
Bj e bom restinho de domingo.

beibe disse...

caramba! belo texto.....muito bom te ler e te receber no meu blog....
http://iilogicowall.blogspot.com/

irei te acompanhar também.
(já leu adélia prado?)

beijo-te

sueli aduan disse...

ualllllllllll que belo texto.
bjs

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

... ...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazon
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG:
FACES DE UM POETA




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesia ...


AFECTUOSAMENTE
FACES DE UM POETA




jose
ramon...

cristinasiqueira disse...

IrA,

Super ...olha isto :"Sou fiel às verdades que invento, desde meu nascimento, quando surgi boa, mas me teimei má. Gosto de pecar e não faria sentido crescer virtuosa."
E como é desse jeito.
E sobre o medo de amar...desejos...
é o último post do www.cristinasiqueira.blogspot.com.Te espero.

Beijos,

Cris

Marcos Dhotta disse...

Texto forte! Reflexivo mes-mo... Faltou fôlego. Nossa...

Márcio Kindermann disse...

Oi Ira
Apareça lá no Meu Mundo Meu Avesso. tem um presente, um "selo",
aguardando por voce.
Bj
Márcio
http://meumundomeuavesso.blogspot.com/

Úrsula Avner disse...

Oi Ira, belíssimo e intenso texto em prosa poética... Sua intimidade com as palavras é notável.As questões da psiqué humana estão muito bem expressas em suas palavras. Amei ! Bj e bom fds.

CARLA FABIANE... disse...

AMO LER-TE...