INSPIRAÇÕES DO POETA

19 de jun de 2011

ALFABETO DAS DESGRAÇAS - Letra H - HIPERBÓLICO




Escapamos vivos, por uma estrada que tinha céu,
Depois das prisões nos jardins da classe média,
Como bichos domesticados, com direito a ração,
Estante de bibelôs e uma surrada enciclopédia.

A rota era de pássaros selvagens em vôos etéreos,
Asas embaladas por marijuana e jazz estridente.
Cabeças interrogativas plugadas ao som do peito,
Com efeitos pulsionais amplificados na mente

Éramos faróis desgovernados, pelo submundo cão
Iluminando ruas, matérias vivas e espezinhadas.
Do Brooklin até a Lapa, luz zen da meia-noite
Nos bocais das garrafas, hipsters nas surubadas.

Estávamos loucos de pensamentos e vibrações
Doando trepadas nos estacionamentos lotados,
Com as bundas expostas olhando a lua de Ogun
Alguns sonhos, súbitos de realidade, rechaçados.

Ouvíamos o uivo de Ginsberg no underground,
Que declamava poemas tóxicos ao anjo do lado
E o couro comia no sax histérico do homem só,
Enquanto os beats – found – eram censurados.

Mas as vozes tinham guitarras verdes frenéticas
E os ecos engoliram os cérebros das sociedades,
Nas igrejas, lojas e casas bem recomendadas
As famílias viram seus filhos sem mediocridades.

Usávamos óculos escuros no olhar contemplativo
E divagávamos no que não entenderíamos jamais,
Nem nas viagens mais alucinantes. A humanidade!
Certeza? Fomes de estômago e alma são letais.

Pintamos quadros e eles ficaram nas paredes tortas,
Pra sempre, como nos museus, o tempo cristalizado.
A estrada de textura indestrutível é visível e viva.
- Ouçam o motor acelerado e as notas bêbadas!

Há noites que Kerouac venta em meus ouvidos
Improvisando inconformidades, a contracultura.
Alcoolizamo-nos de bebidas e idéias quentes,
Entre páginas malditas de poesia sem impostura.

14 comentários:

Jorge Pimenta disse...

querida amiga,
diz-se da poesia que é um alfabeto que inventa e reinventa a cada explosão do coração nessa caverna escura com unhas de carvão-homem. mas tu, acima de qualquer poeta, és o próprio alfabeto, a verdadeira poesia.
irresistível esta série, ira!
beijos!

Rosemildo Sales Furtado disse...

Oi Ira! Passando para agradecer a visita e o comentário, como também, dizer que adorei o poema, com ênfase para à estrofe abaixo:

Estávamos loucos de pensamentos e vibrações
Doando trepadas nos estacionamentos lotados,
Com as bundas expostas olhando a lua de Ogun
Alguns sonhos, súbitos de realidade, rechaçados.

Beijos e ótima semana pra ti.

Furtado.

Dilmar Gomes disse...

Olá amiga Ira, poetisa cronista
Muito bom este poema da letra H.
Um grande abraço. Tenha uma linda semana.

@Francisquices disse...

Poetista que tira o nosso folego, lindamente é o seu poema.




@Franciquices
www.blogdochico.net

Sandra Botelho disse...

E na juventude vivemos extremos e é nela que nos perdemos ou nos encontramos...O importante é vive-la intensamente.Beijos achocolatados

Rafael Castellar das Neves disse...

Muito bom, aqui, hein?

Gostei!!

Ana Luiza Cabral disse...

Não duvido nada que você é uma ótima poetisa. Linda essa abilidade que você tem de colocar as palavras. Parece um mundo diferente seus poemas. Amei! Ótima semana.

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde.Excelente e ousado o seu poema.Amei!Muito inteligente.
Ira, com certeza você escreve muito bem mesmo.As palavras são de extrema naturalidade.
Um beijo, e excelente semana para você!
Fique com Deus!

Pedro Menuchelli disse...

Mesmo que nao comente sempre, todos os dias passo por aqui e admiro demais tudo o que você posta. É como eu sempre falo: algumas pessoas tem paixão por escrever. Outras têm o amor. A maneira com que cada verso é descrito através de suas lindas palavras, é possível perceber que você vai além disso. Um grande beijo, ótima semana e obrigado pelas lindas palavras deixadas em meu espaço. É de muita alegria viu?

Fique com Deus!

♪ Sil disse...

Como você consegue escrever assim tão lindamente?
Conta o segredo, Ira!

Tu é completa.

De A a Z!

Beijooo adorada!

Assis Freitas disse...

H de highway: infinita


beijo

Os brejos ao redor de minha alma agreste... disse...

Ira, q saudade de ler!!!
cada dia mais linda!!
cada poema mais vivo!
amei as fotos e as palavras tão quentes e vivas que saltaram num ápice de prazer para a vida que as chama!
lindo
parabéns!
abraços
Rita

carmen silvia presotto disse...

Ando belos becos, ando pelas ruas, ando pelo H do poema e aqui encontro toda uma geração escondida BEAT(s), seguimos...esfumaçados de tempos, amantes da poesia mais impura...

Beijos, genial!!!

Carmen.

CaFoFo online@ disse...

Miga, essa hiperbolia é a própria juventude correndo na veia, com passos lancados na aventura de viver. Amei isso!