INSPIRAÇÕES DO POETA

21 de jun de 2011

ALFABETO DAS DESGRAÇAS - Letra I - INSETICIDA




No universo, talvez, em um lugar qualquer limpo
Haja alguém que nos explique sermos tão crentes,
Que criamos manuais de quase tudo e tudo quase,
Inutilidades, que amontoamos sob as cabeleiras

Soluções que nos dão o ar dessa graça patética,
Desde como esfaquear, de alma seca, o amigo,
Até como subir em arranhásseis sem fadigas.
Canções dos seres eretos e completos de vazios.

Não durmo há meses espreitando camundongos,
Que corroem as cordas vocais infelizes de letras,
Nervos retesados a gritarem por metal pesado
Olho a cama casta e é como minha idéia do mundo.

Ainda bem, meu fôlego herói, de mínimo pulmão,
Diz-se amigável e lá vou eu engolindo fumaça,
Dos muitos cigarros e mais, lixo preto das fábricas.
Continuo insone, os ratos com bocas e há cinzas.

Ando experimentando a vida, mas não sei fazê-lo
Bem como os vivos, nem sei se é dever meu existir.
Deveria ter nascido com saúde, assim não amaria,
Mas me pariram louca e vieram ânsias e afetos.

Passo os dias com os olhos pendurados nas estrelas
Observando os movimentos desses insetos mortais,
Uns embriagam-se de pesticida, tontos, outros mais,
Sob patas de elefantes, incrédulos das suas insignificâncias

E eu, cá no chão de cadente – Estrela anônima

13 comentários:

Iram M. disse...

Minha linda,
Vc continua com mente brilhante.
Estou aqui hj pra perguntar por vc.
Como vc anda vc? Estar tudo bem?
Saudades!

Assis Freitas disse...

I de insano


beijo

Zil Mar disse...

"E eu, cá no chão de cadente – Estrela anônima"

Como eu amo seu jeito de escrever!!!!

Estrela "não anônima" tem um selo pra vc no páginas de lembranças...não sei se vc se interessa...

deixo um grande beijo... muito carinho e minha eterna admiração...

Zil

Sandra Fonseca disse...

Insanamente genial! Adorei seu blog e passo a seguí-lo com prazer.
Bj.

Lou Albergaria disse...

Belo texto! Pena que anônimo...

Beijos!

Paulo Tamburro disse...

Estou , temporáriamente com as minhas relações estremecidas com você.

Onde já se viu um ser pensante e tão inteligente como você sonegar-me atenção.

É esta indiferença que golpeia os meus mais profundos sentimentos de admiração nesta nossa EX(rs) amizade virtual.


Um abração,Ira Buscacio

Analuz disse...

Acompanho este alfabeto de qualquer jeito... (sem net em casa)

Beijinho de terça-feira, Ira brilhante!

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Ira! Passando mais uma vez para apreciar mais um dos teus belos poemas, principalmente à estrofe abaixo:

Ainda bem, meu fôlego herói, de mínimo pulmão,
Diz-se amigável e lá vou eu engolindo fumaça,
Dos muitos cigarros e mais, lixo preto das fábricas.
Continuo insone, os ratos com bocas e há cinzas.

Beijos e boa noite pra ti.

Furtado.

carmen silvia presotto disse...

Amanhã volto no I para alcançar o J e sei que já deverás ter postado L, mas persigo teus versos e alcançarei as leituras...

Beijos, boa noite, bom dia.

Carmen.

carmen silvia presotto disse...

Passo os dias com os olhos pendurados nas estrelas...que achado Ira...passar os dias, assim é dar corda ao imaginário e o te é sempre fértil e muito poético.

Beijos.

Carmen.

Marcia disse...

Como é envolvente cada palavra cada verso a gente vai se encontrando aqui e ali...Te desejo amiga querida um Hiper Feriadão! bjos!

♪ Sil disse...

To com o Assis:

I de insano!


Lindooooooooooooooo!

CaFoFo online@ disse...

Depuracao pura aos inseticidas.

Essa série ficou dimais.