INSPIRAÇÕES DO POETA

11 de dez de 2011

Amargurando


O poema caiu de maduro
E de cansaço
Ninguém viu
Caiu lento, sôfrego, birrento
Desconjuro!
Praga de mãos tagarelas,
Maldição de versos e velas
Sujo,
Fora-da-lei,
Maltrapilho
Pediu pra bater.
Suei
Pediu pra morrer
Provei
A farsa do poema andarilho

17 comentários:

Mateus Luciano disse...

muito bom poema andarilho
mendigo,só por ai.

AC disse...

Uau!
Excelente, Ira!

Beijo :)

Joelma Bittencourt disse...

Ira sempre brilhante...

Beijinho de Luz!

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Ira! Fico muito feliz que tenhas voltado, e voltaste em bom estilo, com um belo e profundo poema. Sabes que no nosso espaço serás sempre bem-vinda.

Beijos e ótimo domingo pra ti.

Furtado.

Carolina disse...

Olá Ira! Estou muito, muito, muito feliz em saber que você está de volta! Acabei de regressar de uma viagem e acho a sua mensagem agradável. Deseo continuar lendo o seu pensamento cheio de talento, meu cara amiga! Um beijo e um grande abraço.

Andrea de Godoy Neto disse...

quantas vezes de cansaço cai o poema ou o poeta nessa sina de andarilho?

lindeza de poema, Ira!

beijocas muitas :)

Dilmar Gomes disse...

Amiga Ira, que bom que tu voltaste a postar novamente. Eu aguardava ansioso o teu retorno à blogsfera.
Obrigado pelo comentário no meu blog.
Um abração. Tenhas uma linda semana.

Patrícia Pinna disse...

Boa tarde, Ira muito bom. Fiquei feliz em rever-te, muito mesmo.
Você como sempre se entregando com a alma e nos presenteando com maravilhas.
Beijos, e uma ótima semana.

Sonhadora disse...

Minha querida e doce amiga

Hoje passando para agradecer o carinho de sempre e oferecer uma fatia de bolo de aniversário...embora virtual é de coração.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Átila Goyaz disse...

Que lindo Ira, o poema pode cair mas nunca declina nas tuas palavras. bjus!

Marcelo R. Rezende disse...

Tem poma que é danado, que luta pra sair e quando sai, não gosta muito de como veio, mas o importante é vir. Poema é bom mesmo quando não é. E os teus, ah, são os melhores.

David C. disse...

hermosas palabras.

Zilani Célia disse...

OI IRA!

ESTE TEU POEMA ANDARILHO, SÓ QUER SAIR POR AI, E VIVER, ANDAR DE BOCA EM BOCA, ATÉ MORRER!
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com/

F. Otavio M. Silva disse...

Com Sempre Ira, vc faz uma bela escolha de palavras que se ligam e criam uma harmonia totalmente diferente. Ficou muito bom Ira, muoto bom mesmo.

Fred Caju disse...

Farsante e andarilho? Poema por excelência, pois.

Jorge Pimenta disse...

ira, querida amiga,
que poema, este, que de tão maduro me cai mas nas mãos, em brasa.
beijinho!

Américo do Sul disse...

Este poema rasga a tua blusa e te deixa desnuda como nenhum outro (dos q li até agora) fez...