INSPIRAÇÕES DO POETA

26 de mai de 2009

DOENÇA

Deus perdoe-me por ser mulher de útero e gozo.
Por não suportar as ofensas do corpo, sem falar da alma,
Que maculada se desdobra em coração fibroso.
Quando a mão tirana do homem amado espalma,
Minha cara lavada e liberta dos medos.
Por desvelo, sua, ainda e sempre permito que ele me possua,
A carne. Nunca, meus mais íntimos segredos.
Até que aprenda, o que em mim perpetua.
Essa coragem de viver a solidão de sua presença,
E enfrentar o vazio que esse amor me condena.
Deus faça-me não odiar nele, sua egoísta essência.
Para que possa me sentir inteira diante da sua gangrena.

2 comentários:

Úrsula Avner disse...

Olá minha cara, cheguei ao seu blog através do blog Brilho da vida. Seu texto poético é de grande sensibilidade e profundidade lírica. Gostei muito do seu estilo de escrita, com lindas metáforas e um eu-lírico visceral. Escrevo poesias para adultos e crianças. Voltarei com mais tempo depois. Um abraço poético.

Ira Buscacio disse...

Olá! agradeço pelo comentário. Isso é um retorno de energia. É troca de sensibilidade. É estimulo. Vou acessar o blog Brilho da Vida. Apareça sempre. Um grande abraço de poeta pra poeta.