INSPIRAÇÕES DO POETA

12 de set de 2010

Divã




Vamos parar com essas questões psicológicas, porque não deitei no seu divã, lembra? O vestido ficou aos pés da cama testemunhando nossos pecados de Édipo, de Eléctra e todas as muitas convicções correram afugentadas, como almas penadas exorcizadas por incapacidade de romper o círculo vicioso. Éramos instrumentos de paixão, desses que só virtuosos afinam e improvisam melodias. De Do a Si, com Sol, muito sol invadindo o quarto nas manhãs, os corpos e os sexos em descanso das árias em duo.
Eu sei que o desejo tem um gosto paranóico, mas não tente limpar minha alma suja, que sem ela não te amaria com loucura. E se te amo com a medida insana, de não caber mais nada nem ninguém, não foi por ternura. A ternura é branca, nós somos black beatiful e não tem língua obscena, e não tem mãos investigadoras. A ternura é pai e irmão e esses papéis já foram preenchidos. Não são seus!
Vamos parar com essa babaquice de “viver como os nossos pais”, porque é passado e essa roupa nem cabe mais na gente. Eu quero viver e quero ver você viver, e quero que você me deixe viver, sem catar as migalhas dos ressentidos. Quem sabe o sabor das nossas bocas e o vinho que as tinge, senão, tão somente nós?
Eu não vou jurar pelo sagrado, coisas que são sagradas pra mim. Esta no silêncio e basta! Você sabe ler a morfologia do mistério? Em verdade vos digo: Ouça minha pele!
Tenho dias bonitos, mas com você seriam dias poéticos, nem feios nem belos, apenas dias sentidos. Eu quero ir com você até o fim, na primeira rua à esquerda. A rua dos corações afins.

9 comentários:

Franck disse...

Passando por aqui para lê-la e quero tbém encontrar essa 'rua dos corações afins'...
Uma semana luminosa!
Bjs*

Marcelo R. Rezende disse...

Delícia de texto.
Gostei desse lance dos dias: nem bonitos, nem feios!

beijo, Ira.

Lily disse...

Ira,

"...ouça a minha pele."

Não precisava dizer mais nada. Adorei a frase, vou guardar isso comigo. Ouça meus poros aflitos... cruzes... estou até me inspirando.

Beijos!

Fred Caju disse...

Intenso, suave, forte. Parece ser contraditório, mas não é. É fantástico.

so sad disse...

ouça minha pele...
sim, isso nao tem como mentir
beijo!

Érica disse...

"ouça minha pele..." êta mulher danada!
teux textos são de uma intensidade!

respondendo ao seu comentário: eu gosto das suas crias rsrs

bjok

Sil.. disse...

Caraca, e eu postei e o comentário não foiiiiiiiiii, ahhhh

Lá vai.

To suada aqui, só de ler seu texto.

Ouça minha pele,
meus poros,
o suor que sai de cada um deles...

Ira do céu, você é Demais!


Beijooooo minha amiga de infânciaaa!♥

aluisio martins disse...

texto forte, intenso e cortante. firme como quem sabe o que sente e quer.
grande abraço

Jorge Pimenta disse...

ira,
texto explosivo, não de pólvora, mas da essência que rega os que amam. a distinção entre ternura e paixão é absolutamente arrebatadora, porque genuína e verdadeira. e o grito de libertação não é capricho ou delírio; apenas e só o clamor pela justa felicidade. estou absolutamente contigo neste chamamento por vezes surdo, outras apenas eco, outras, ainda, inglório; contudo, em qualquer dos casos, a voz do coração não se me de pelos efeitos que suscita, mas antes pelos feitos que sobre si exerce... mesmo que à revelia das demais vozes e bocas.
belíssimo! arrebatador! trago-o como o melhor dos vinhos, gole a gole, sem deixar arder a garganta.
um beijinho!