INSPIRAÇÕES DO POETA

24 de set de 2010

Eu quero é falar de amor!




Ainda criança escrevia versinhos e escondia-os, nos lugares mais óbvios. Minha mãe, a vítima ou musa, que ainda conjeturo, os encontravam. Ela, além do afeto, se orgulhava da pequena poeta e divulgava, os ingênuos versos, pra todas as visitas e familiares. Hoje sei que, além de doce mulher e tantas outras especialidades, Ela também era PHD em marketing e propaganda e logo as poesias ganharam espaços nos diários das primas e na caixinha da avó. Um começo de muita expectativa! E foi assim, que acabei aqui, nesse mundo virtual, mas pouparei os leitores do longo percurso, porque de lá pra cá, quanto coração!
Escrevo o que vem à cabeça. É um composto de amor com amor, um pouco mais, um pouco menos. Pode ser piegas, super brega, caretérrimo, mas costumo dizer: Quando nasci implantaram um coração no meu cérebro, por isso não penso, só pulso! Então, me deixe ser esse cachorro magro, que abana o rabo pra mão gentil.
Quando tento criar alguma lógica anti-suicida, lá vem esse órgão inconseqüente comprimir meus neurônios quase atléticos. Atléticos sim! Porque me esforço com exercícios diários nos supinos dos grandes jornais, da tv aberta, da competição selvagem, do consumismo imoral, da rotina desse mundo de aventuras políticas e sociais. “O mundo maravilhoso dos bichos”, porque animal, meu irmão é outro papo, sacou! Ufa! Cansei. (sic)
Eu tento, mas não dá! Mato-me, sem a menor complacência. Adoro morrer de amor e de prática. Não levo jeito pra cocô e quero mais é que a lógica seja um bom rolo de papel higiênico pra limpar as merdas das suas teorias, como se fosse uma digna forma de se redimir por tanta tola prepotência. Eu não sei ficar triste, minha tristeza é veloz, e viver carregando esses quilos e quilos de pesos patéticos, tipo: Aprenda em 4 semanas como obter sucesso, ou 3 dias e seu amor de volta, ou como se conhecer em 7 capítulos, ou as regras dos relacionamentos e pior, como desvendar o mistério do outro em 10 lições, não dá!
Cara, nem sei o que sou! Não sei se quero saber e a única inteligência que tenho é do sentir. Eu quero arrastar a bunda nesse escorrega universal e cair sentada na terra, e me sujar com as minhocas, e com a vida, como dizia o sábio pediatra da minha filha: vitamina S (sujeira) e felicidade são os remédios que criam anticorpos. Quero saúde!
Quero dividir meu amor, pra além do concreto e do esperado. Quero falar do amor, que dói, que da tesão, que é bonito, que é cínico, que é amigo, que é humano, sem lucidez, pois ela é diabólica e se você quer ser livre fuja dela. Eu sou a minha amorosa insanidade.
Peço perdão, aos que esperam mais de mim, mas nada sei ser, mais do que esse amor que me salva. Amém e fim.

20 comentários:

Franck disse...

Escreva o que quiser, o que importa é a sensibilidade, o desabafo, esse escrever é preciso...
Bjs e um bom fim de semana!

| A.Luiz.D | disse...

Gostaria de ler esses versinhos,,,
Enxergar um pouco de onde se brotou tudo isso que invade e doa sem saber!!

bjos

Marcelo R. Rezende disse...

"Quando nasci implantaram um coração no meu cérebro, por isso não penso, só pulso!"

Você é genial.

Edson disse...

Eu como escritor digo... Escrever para nós, não é apenas colocar verbos, substantivos, artigos, hífens e sujeitos em seus lugares... Pois na hora que redijo eu deliro e isso tudo que disse antes é irrelevante, é estrutural, são sinais daquilo que pulsa em mim como contador de histórias.
Bom fim de semana.

Lua Nova disse...

Genial é pouco...
Escreva sempre, Ira. Eu pelo menos espero de vc tudo isso que vc é capaz de passar pras palavras com tanta sensibilidade e beleza. Só...
Qualquer detalhe é só mais um milagre... rsrsr

Carol disse...

Que linda história! Esperta desde criança, rs...

Athila Goyaz disse...

Nossa, que texto! Adorei o jeito como escreve e tuas idéias!
Super beijo e bom fds!

Jorge Pimenta disse...

"eu sou a minha amorosa insanidade". e há mais o que esperar?...
encantador o teu texto, ira querida!
um beijinho!

Vanessa Souza Moraes disse...

Ter amor é um "cado" de coisa :)

José Carlos Brandão disse...

saber do amor que salva é muito, é tudo.
Beijo.

Saulo Taveira disse...

Ser o que és e basta. Passa lá no meu blog? Deixei um presente lá procê.

Beijos. Belo domingo.

Malu disse...

Oi , Ira !

Saulo te indicou e vim conferir.
Adorei e Te Sigo !

BjO Grande e Bom Domingo.

Saozita disse...

Olá Ira, escrever acaba por ser uma forma de exorcisar o que nos vai na alma, é dar-mos também a conhecer um pouco de nós aos outros. É bom, escreva sempre...

Tem um bom Domingo.

Bjs

Sãozita

Rob Novak disse...

Não saber quem se é, com certeza, é o primeiro passo para se descobrir realmente. Condições pré-existentes de auto-conhecimento são uma barreira para sincera conjugação do
verbo ser.

Na real, alguém que desfere golpes tão certeiros no teclado tem uma perfeita noção do que possa ser: uma grande poeta!

Abraço.

Angelo Augusto Paula do Nascimento disse...

"Adoro morrer de amor e de prática"
Eu tb, rs.
Quanto aos manuais, vc deve gostar desse:
http://angeloapnascimento.blogspot.com/2009/05/como-esquecer-um-amor-inesquecivel-em.html

Abraços

Juliana Carla disse...

Ira,

Os versos também brotaram cedo em minha vida. Mas, o registro em caderno foi tarde. Mais tardar ainda em blog. Quantas brigas dentro de mim entre o sim e não. Felizmente me dei uma chance. Esconder é se trancar... E por qual motivo?

Também escrevo o que vem da cabeça (ou do mais fundo ainda?). Deixo livre. Pois é, a teoria que vá para @%*#.

Bateu o DNA, viu?

Bjuxxx e xerooo amiga.

Carolina disse...

que bonito todo el escrito: esse amor que me salva.

Levei um tempo para ler, desculpe. jaj xD

F. Otavio M. Silva disse...

"Quando nasci implantaram um coração no meu cérebro, por isso não penso, só pulso!" Lindo!!!

Sil.. disse...

E é por esse, e tantos outros motivos, que te acho única!

Que te acho plena, absoluta!

Que bati os olhos em você e disse: Eu conheço.
(Amigas de infância).

Por isso que aprendi a te amar como amiga, como pessoa, como ser humano que como eu tem um coração no lugar do cérebro, acho que no corpo todo!
Que fala o que vem na cabeça, sem se importar o que os outros pensam.

Ira, você me foi um achado!

Beijo meu, minha querida!

Por todo sempre!!!

Márcio Kindermann disse...

Cara... é exatamente assim que vejo vc...

bj meu