INSPIRAÇÕES DO POETA

5 de dez de 2011

ALFABETO DAS DESGRAÇAS - LETRA Z - ZARABATANA




As luzes das casas não deixam a noite dormir.
Uma noite embalsamada.
E esse fulgor que já foi morto, um dia,
Não tem silêncio nas mãos nem no peito.
Grita e agita o breu.
E a noite cai sobre os telhados dos sonhos.
Cai como quem tomba.
Medonha, esparramada.
Atingida por zarabatanas
Servidas de pontas zonzas, curare
Então, todas as sombras fogem
Pelo céu da boca aberta.
Violam fechaduras.
Invadem veias, cárceres, pensamentos.
Devoram as falas.
Rela, rala, estala,
As portas que guardam vidas.
Eu, da janela que nunca fecha, dentro,
Onde o sol brinca com meus cílios, me resumo fé
E afago os negros olhos da noite insone
Com beijos de estrelas.
Dorme, meu bem! Dorme escura tortura!

10 comentários:

AC disse...

Apesar da noite atingida por zarabatanas, folgo pelo regresso da grande poetisa.
Bem vinda, Ira!
(E a saudade fez-se sentir...))

Beijo :)

QUIM disse...

muito bom adorei...bjs

Marcelo R. Rezende disse...

Muito bom observar a noite e conseguir captar isso. Sempre acho que tem algo de sombrio/necessário quando a lua chega.

Gostoso esse poema. Amei


Beijão, Ira.

carmen silvia presotto disse...

Ira calar as sombras, aquietar a noite, zomzombrar das trevas e sempre com intensa poesia, eis o teu ofício querida poeta, beijos e que bom saber que a Letra Z te trouxe de volta(rs).

Carinho e boa semana.

Carmen.

helio.rocca disse...

Sublime amiga. Captas poeticamente a noite com toda plenitude de mistérios...

Assis Freitas disse...

zzzzzzzzzzzz, sinfonia para dormir

beijo de bom regresso

Malu disse...

Saber que está de volta me deixa FELIZ, amiga, pois a blogosfera tem tanta gente maravilhosa que está meio ausente, mas cada qual sabe do que lhe vai a frente.
Gosto de ler tuas contundências...
Abraços

Sonhadora disse...

Minha querida

Que bom que estás de volta...tinha sede dos teus poemas.
Espero que esteja a correr tudo bem.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Lily disse...

"E afago os negros olhos da noite insone
Com beijos de estrelas.
Dorme, meu bem! Dorme escura tortura! "

Coisa mais linda!

Insônia embalada por poeta.

Beijos,

Suzana/LILY

P.S.: obrigada pelo comentário, gosto muito quando você aparece por lá. E, feliz estou por ter voltado.

Jorge Pimenta disse...

ira, minha querida,
o alfabeto é uma criação dos homens que, na sua necessidade de se pluralizarem, inventaram a linguagem. são, por isso, como o próprio homem e a comunicação: imperfeitos, incompletos, carregados de ruído, interferência e não compreensão. até que o homem, servindo-se do alfabeto, deu voz não ao cérebro frio, não à boca despovoada, mas à alma - e assim deixou que a poesia lhe vestisse o rosto tornando-o poeta. servindo-se de alfabetos; recriando alfabetos, reinventando-se em cada letra do canto.
completas o prólogo, aqui, com a letra z; depois dela, o infinito plural.
beijinho! não sabes como me sinto feliz por regressar aqui!