INSPIRAÇÕES DO POETA

27 de ago de 2012

A Pedra





A escada de pedra parecia levar ao céu, com seus degraus intermináveis e cinzas, meus pensamentos de canto em canto matavam-se exaustos como cigarras ilusionistas.
O verão era cínico!
No princípio, não alheia às pequenas flores entornadas no chão, meu coração suspirou e esqueceu-se de ser coração, pois era precipitado sentir ou fazer qualquer ruído, os sinais recém-nascidos ainda vestiam um silêncio único.
À medida que subia o caminho, espasmos dos ventos criavam idéias e símbolos, minha mente que antes era ócio, após ganhar o sol não tardou desenhar vontades, desejo em poesia, que suavemente oprimia meus seios magriços.
Depois daquele dia, para sempre, eu seria uma anônima entre a podridão e o luxo, alguém a alimentar os sonhos dos ingênuos, como eu, quem sabe realizáveis, por que nasci pra isso.
Nasci para os manicômios, para os circos, para os miseráveis e os impossíveis, que trazem no sangue o propósito das coisas, não apenas coisas tristes ou felizes, mas humanas, coisas feitas de suor e pedra como a escada.
Rota dura e definitiva de quem trabalha arduamente a alma e, grande e imperfeita, ainda assim prefere ingressar na vida pela entrada de serviço, onde se encontra facilmente humanidade, onde as costelas se acomodam por amor e bordoada.
Passo entre as ruínas arquitetônicas dos homens, das árvores frescas e observo a existência de Deus!
Meus olhos inclinam-se diante dessa força teimosa das formigas, que continuam cumprindo seus destinos, de labor e de viver, sem discutirem a mágica
Sim, a margem de todas as cosmopolitas convicções há um agente que exprime supremacia e reage naturalmente. O universo! A origem do que cada coisa é e não do que o homem qualifica na sua embriagues mundana, pois a mão humana não alcança o sol, jamais tece a luz que ilumina ou cega e nem tão pouco a pedra de cada ser.

12 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

O caminho é cheiro de avisos, alertas e ensinamentos. Seja na escada de pedra, no mar aberto ou no céu que chama, junto, a luz branca.

Divina!

Assis Freitas disse...

leio como uma epifania, em ascensão



beijo

LauraAlberto disse...

às vezes também eu penso que nasci para casos perdidos, que se encontram

há tantos caminhos, tantas hipóteses, tantos becos e ruas a direito

mas acabamos sempre por trilhar o nosso percurso

beijinho

Tania regina Contreiras disse...

"Nasci para os manicômios, para os circos, para os miseráveis e os impossíveis..."

Tabém penso que sim. Sua escrita pulsa, Ira.
Beijos

AC disse...

Um olho no pragmatismo, outro na poesia.
Sempre bem, Ira.

Beijo :)

Cecília Romeu disse...

Ira, linda aquariana!
As pedras fazem escadas, mas também podem nos provocar queda, caso num tropeço enorme, não as enxergarmos.

Mas é o 'sangue do propósito das coisas' que constrói verdadeiro arranha-céu, em sobreposição de muitos andares de pedras, assim mesmo, a arranhar nosso céu.

Beijos e ótimos dias!

Fred Caju disse...

Bom demais te ler assim, também.

Marco Rocca disse...

Versos de uma magnitude ímpar, realmente você remexeu no âmago das inflexôss mais íntimas do ser. Parabéns poetisa!

Nilson Barcelli disse...

Adorei o teu texto.
É simplesmente sublime.
Ira, minha querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.
(voltando de férias... aos poucos...)

José María Souza Costa disse...

Amei a tua cronica.
Passei aqui para lhe desejar um fim de semana harmonioso e agradavel
Abraços, sorte e felicidades

Carol disse...

Pensando nas formigas desorientadas de um lado pro outro... Um gigante lá em cima deve achar o mesmo de nós, rs...
beijos e boa semana querida!

Marco Rocca disse...

Versos de profunda sabedoria. O ser humano, jamais se saberá. Por isso, divaga pelos cantos de suas salas escuras...