INSPIRAÇÕES DO POETA

15 de ago de 2012

Theatron - lV





Ele saiu da página, da espera que pode matar,
Da pele que não existe até o dia da prenda,
Uma renda fina que cobre as marcas do tempo 
E que apenas se pode ver e tocar sob a luz da fenda
Aberta no teto liso e cru da noite primeira.

Ele veio cantando coisas longes, coisas minhas,
Que conhece não de viver e sim de sonhar.
Trouxe nas mãos um livro quase em branco,
Assim, brando querendo me convencer da vida,
Como se pudéssemos investidas passarinhas.

Ah, que dolo é o canto dos que não trocaram as penas, tolo,
Mas não menos belo!

Ele surgiu do tanto que escapei pra não fazê-lo meu,
No instante de vê-lo, menino a desejar minhas lutas,
Tantas guerras mudas nas terras dos homens que nem lembro mais,
Os nomes, os rostos, as carnes, as casas e o que se perdeu
Quando olho sobre meus ombros e há só uma sombra bruta

Ele nasceu de um dia em que meu peito descansou
Na embriagues do poema que sei de cór, de cor amarela,
Como colo sem consolo que não dorme porque sonha só
E arranca o sol do céu antes que a noite o vista de escuridão.
Ele nasceu pra ser todo meu, naquela hora, quando a vida é bela.

9 comentários:

AC disse...

Até as marcas do nu e do cru carecem dum vislumbre, dum aroma, por mais ténue que seja...
(Ira, está a escrever em grande!)

Beijo :)

Caroline Godtbil disse...

Ah, Ira...


"Ele nasceu pra ser todo meu, naquela hora, quando a vida é bela."

Mulher, vc escreve "alma" e transpira entranhas... gosto muito de vir aqui e deixar minha sensibilidade passear nas tua palavras.

Beijo.

Assis Freitas disse...

epifania: há que se anunciar

beijo

Carolina disse...

Amiga, princesa, esta é alta literatura. Criacaos maravilhosas e profundas, e o amadurecimento da compositora e escritora! Amo isto.
Um grande abraco.

Cris de Souza disse...

Acaso sei de cór a aquarela quando a vida é bela.

Outro beijo!

Marcelo R. Rezende disse...

Mas e quando a vida não é bela? E quando há os ferimentos, as tristezas e a dependência, quem nos salva? A quem salvamos? E os esteios? Devemos nos classificar assim? Tou esperando a hora que surgir alguém certamente errado pra mim.


Beijo, Ira.

Joelma B. disse...

roubou-me a voz...

beijinho,Ira poeta brilhante!

Cecília Romeu disse...

Ira, linda aquariana!

Que bom que existe a hora em que a vida é bela, caso contrário seria impossível viver, porque é impossível viver sem sentir.

Beijos e beijos!

E um beijinho especial na Valentina:)

Carol disse...

Que lindo!

Boa semana pra vc querida!