INSPIRAÇÕES DO POETA

21 de jul de 2012

Dia de Éluard – Provisória Alegria Incalculável





Tivesse eu, cor inescrevível dos trinta anos,
Drama gordo do desejo perseguido,
Palavras impronunciáveis que convencem corpos,
Que ainda assim, nada faria sentido
Sem respirar-te fundo,
Como se respira o último fio de ar,
Antes de apagar os olhos.

Tivesse eu, dom de criança azul,
Braços de abraçar silêncios fartos,
Pensamentos riscados de giz,
Que ainda assim, nada faria sentido
Sem saber-te pequenino perseguindo milagres,
Perguntas sem respostas,
Sem culpa ou revolta

Tinjo de rosa as maçãs da face
E invento um dia, dia de ser tua.
Dia tão completamente eterno,
Quanto o momento em que li Éluard
E pensei ver-te manso, leve, lírico,
Primavera a correr no jardim estranho do tempo.
Caule aprisionado na flor
Por vontade e seda fina.
Existências cobertas de milagres,
Peles e poema.
Um dia comum de amor,
De incalculável alegria,
Como são todos os dias provisórios.

10 comentários:

Lily disse...

Ira,

Há momentos no texto, em que li, reli e li de novo, só para depois, prosseguir. E foram vários esses momentos... e os olhos se molham. Coisa mais linda! De uma ternura ímpar, desejo calado de algo precioso, mesmo que seja provisório.

Muitos beijos, minha admiração sempre.

Suzana Guimarães - Lily

Assis Freitas disse...

Éluard elude, ilude, alude


beijo

Márcio Kindermann disse...

As vezes penso, se não tivesse voce aqui dentro, me calando com palavras que não me pertencem mas me contornam com cores que as vezes sangram, outras reluzem, nada faria sentido.
Amo tu,
bj meu.

Adriana Aleixo disse...

"braços de abraçar silêncios fartos"

Abraço-te!!!

Beijo e carinho!

Marcelo R. Rezende disse...

Como todos os dia sem que há companhia. Em que se faz o que se gosta e ama. Como a andar na praia, escrever e tomar uma gelada. Vejo traços e amo suas pinturas, Ira.

Beijo!

Cecília Romeu disse...

Ira, linda aquariana!
Que seja provisório enquanto dure...

Beijos!

LauraAlberto disse...

não posso parar de ler, os dias provisórios...

cada vez mais perdemos tempos e perdemos aquilo que somos e esperamos que um dia tudo será diferente, será definitivo

este teu texto é dedo na ferida, ainda bem

beijinho sua poeta do caraças...

Anna Amorim disse...

Vivo de dias assim.

Beijos,

Anna Amorim

Marco Rocca disse...

Bélissimo poema Ira. O tempo na verdade instiga à humanidade o temor da imensidão...

Jorge Pimenta disse...

nenhuma tatuagem é definitiva; por que o seria a pele?

admirável tu e a tua escrita - sempre.

beijos!